QUADRINHOS: TEOCRASÍLIA – DENIS MELLO

“Teocrasília” é o mais recente projeto do quadrinista carioca Denis Mello, anteriormente ele havia trabalhado em parceria com a roteirista Ana Recalde no quadrinho “Beladona”, projeto que lhes rendeu uma indicação ao troféu HQ Mix. Esse novo projeto começou a ser criado em 2016, tendo seu prólogo publicado naquele ano e o trabalho principal, a HQ “Teocrasília”, agora em 2018 juntamente com uma revista extra criada em um desafio em conjunto com o também quadrinista Rapha Pinheiro, criador da HQ “Salto”, que consistia em um período de 24 horas de imersão na arte de desenhar.

Como esse novo trabalho do Denis funciona mais como um projeto do que uma simples HQ, é importante que os trabalhos lançados até então sejam lidos em ordem cronológica, iniciando a leitura pela revista “Teocrasília: Edição Histórica”, que possui a função de contextualizar o leitor para os eventos da HQ principal, para depois partir para o quadrinho “Teocrasília”, sendo bacana, porém não necessariamente obrigatória, a leitura da “Teocrasília: Extra #01” entre os capítulos 3 e 4. Além disso, o artista está com uma campanha no Catarse para a produção da segunda revista extra do projeto, onde você pode apoiar apenas esse novo material (caso já tenha lido) ou garantir um pacote completo do projeto.

O que inicialmente começou como um protesto em função do aumento da tarifa de transporte público em São Paulo, atingiu proporções gigantes quando várias cidades do país decidiu ir às ruas protestar contra as mazelas enfrentadas pela população devido aos altos níveis de corrupção e desvios de verbas que deveriam ser destinadas aos setores públicos básicos. Aos poucos, as manifestações foram tornando-se mais fortes, assim como a intervenção despreparada e truculenta da Polícia Militar, tudo isso ocorria nas vésperas de uma das eleições mais atípicas que a população presenciava há um bom tempo, eleições estas que resultaram no Impeachment da candidata escolhida pelo povo e na ocupação de Vlad, seu vice, do cargo de Presidente da República.

Desde então, o país entrou em uma desenfreada descida rumo ao fim do tão recente modelo de democracia conquistado, a política começou a se fundir com a religião, dogmas religiosos passaram a ser implementados, favores foram cobrados e agora estamos sendo governados por um líder fascista que chegou ao poder pregando palavras de ódio às minorias, e amor ao modelo de família tradicional brasileira, alicerçado somente naquilo que a Igreja prega como correto. Assim, a democracia no Brasil morre e um novo modelo político Teocrático passa a reger a nação. Esse é o contexto de “Teocrasília”, um trabalho alicerçado no presente, com elementos reais e traços premonitórios que aos poucos, infelizmente, vão tornando-se realidade.

A ignorância precisa ser preservada

Com o novo modelo político, administrado pela “Bancada da Palavra” e liderada pelo “Divino Altar”, o país vira de cabeça para baixo, o Estado Laico não existe mais, as pessoas são privadas de toda e qualquer liberdade que não vá de encontro com as filosofias teocráticas. É implementado um código de vestuário rígido, mulheres que se vestem inadequadamente de acordo com o novo código são tratadas pelas ruas como pecadoras disponibilizando seus corpos para serem usados e sendo responsabilizadas por qualquer abuso que seja cometido por parte de “homens de bem”.

A liberdade sexual é reprimida, assim como a liberdade de expressão, as artes e os livros que não são destinados à pregar a doutrina da igreja, as drogas são proibidas, pelo menos para aqueles que não possuem recursos para arcar com os altos valores cobrados, as manifestações são encaradas como ato de terrorismo e os manifestantes são contidos de forma letal ou encaminhados aos Campos de Reconsagração para serem apartados do sistema carcerário comum, impedindo que disseminem sua ideologia, e passam por uma obrigatória lavagem cerebral reeducação social e religiosa. A diversidade religiosa também termina aqui, templos são destruídos, terreiros são extintos e qualquer religião que vá contra os princípios vigentes é tratada como pagã.

Com todos os seus preconceitos e ideologias expurgadas de empatia validados pelo novo regime, uma milícia conhecida como “Os Cruzados” surge para denunciar e punir pessoas que fogem ao novo modelo Teocrático, assim, grandes grupos de resistência são exterminados, familiares e amigos não podem sequer confiar uns nos outros e o estado de vigilância e medo se instaura na nação.

Porém, nem tudo está perdido, Yuri e seus amigos fundam o “RESOLA – Retiro Solidário Laico”, uma comunidade isolada e restrita, onde pessoas como eu, você e, imagino eu, diversas outras pessoas que tem o significado da palavra Humano não só como definição de uma categoria de espécie, podem encontrar abrigo, consolo e empatia em uma comunidade autossustentável, simples em acomodações e extremamente rica em cultura, amor e respeito ao próximo.

A seleção para participar da comunidade é realizada de forma criteriosa e com extremo cuidado para que a localização do grupo não caia em mãos erradas, assim, Yuri consegue aos poucos criar uma grande comunidade de pessoas que não estão contentes com o modelo de governo adotado, que não estão contentes com os professores sendo vigiados em salas de aula, com o ensino religioso tirando matérias da grade curricular das escolas, com cursos universitários sendo extintos, com o conhecimento sendo altamente desencorajado e combatido. Se fere a minha essência, serei resistência. Ninguém solta a mão de ninguém.

Juntos, os membros do RESOLA reconstroem uma sociedade melhor e enquanto vemos o crescimento desse grupo, acompanhamos pessoas que relutantes em ingressar para a comunidade com medo de serem descobertos, presos, torturados e mortos, acabam passando por situações terríveis por não se encaixarem nos moldes que regem a nação.

Dotado de uma escrita ácida, contundente, premonitória e entremeada pelo incômodo da ideia do que o nosso país pode vir à ser, Denis cria uma estória fundamentada na nossa história contemporânea em construção, objetivando a destruição da camada de névoa que recobre o olhar de quem ainda não percebeu que o caminho que trilhamos é perigoso, inumano e inadmissível. A leitura de “Teocrasília” não é somente importante nos momentos atuais, como necessária, e um projeto como esse deve ser incentivado à perpetuar, pois não sabemos até que ponto a triste realidade contida nessa obra de ficção pode vir a se tornar a nossa realidade, até quanto teremos acesso livre à esse tipo de material.

O traço do artista, que trabalha muito com conceitos de luz e sombra, é uma evolução gigante desde o álbum “Beladona”, onde ele já demonstrava uma técnica de encher os olhos, e essa evolução é fruto de estudo e um trabalho lindo e árduo que o Denis vem apresentando nos últimos anos. Um artista que se esforça tanto e se entrega tanto em sua arte para trazer um trabalho tão relevante e necessário merece muito ser lido pelo maior número de pessoas possível. “Teocrasília” é um quadrinho que propõe uma reflexão sobre o presente e o futuro do nosso país, onde Denis Mello apresenta como solução aos gigantescos atrasos e retrocessos sociais e humanitários, a união, o amor ao próximo e a luta constante pelos nossos ideais, pelo que nos representa e pelo que nos faz humanos de verdade. “Teocrasília” é um alerta!

Caso tenha se interessado pelo quadrinho, você pode adquiri-lo pelo link do blog na Amazon.

Quantos cafés “Teocrasília” merece?

9 comentários sobre “QUADRINHOS: TEOCRASÍLIA – DENIS MELLO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.